23 de dezembro de 2008

Tornei-me Flor

Meus pensamentos todos brotam
De algum lugar dentro do corpo meu;
Emanam, encharcando meu coração
Que, então, embevecido sonha.
Minha alma sofre garfadas à sua flor,
E anseia ver o sol como anseia um girassol.
Corações não podem pensar.
Todos os que pensam amam.
E a alma sofre dores desmedidas
E mais não voa, fica quieta,
Como pássaro que bem não lida com a liberdade.
Na verdade, meu coração pensou em você,
Lançou-se ao limbo, meu coração menino.
Amei por desocupação, por pensar em vão.
Amei por ceticismo, ou distração?
Tornei-me flor,
Vitória Régia em suas águas.
Quando ao luar, inebriada,
Feliz. Só ao luar.